Desabafo sobre a Lei Maria da Penha: mulheres, façamos valer nosso direito! – Por Keila F. de Sousa*

Compartilhe esta postagem:

A Lei Maria da Penha (11.340/06) é sem dúvida a maior intenção documental contra a violência doméstica, porém seu efeito moral só a engrandece no papel. Falta empenho da justiça, das autoridades, da mobilidade social e da conscientização em massa através de acompanhamento psicológico às vítimas e PRINCIPALMENTE AOS AGRESSORES, que se utilizam das mais diversas desculpas para atentar contra vidas.

Compartilhe no Facebook

Almas doentias, aprisionadas por um amor incompreensível e, revoltados com o possível rompimento, se apropriam de encorajamento fútil e cometem atrocidades contra suas companheiras. Eu, Keila Ferreira de Sousa, sou VÍTIMA, MAS ALÉM DE TUDO, MILITANTE. Não quero virar estatística negativa! Quero ser liberta dos meus fantasmas amparada pela LEI QUE DEVERIA ME ASSISTIR.

Só busco… já entendo de várias estratégias de fuga do meu opressor, assim como sei também como é possível seu ataque, digo isso porque me respaldei do direito de me proteger (me escondendo e esperando da justiça uma solução). Há quase três anos, nessa luta, há quase três anos tentando ir e vir de acordo com meus direitos constitucionais. Não é justo que minha casa vire abrigo, que possivelmente, tenha que me afastar das minhas raízes familiares, sociais e profissionais para recomeçar do zero, em lugares vis, que eu mesma não quero ir… OU ABDICAR DA PRÓPRIA VIDA MESMO? É ESSA A SOLUÇÃO?

Terei eu, o direito à legítima defesa, se num ato desesperador atentar contra a vida do meu próximo que tanto me atormenta? Claro que não! Serei dita culpada pela Lei, mesmo que por legítima defesa. Quanta incoerência no nosso sistema, discrepância seria? Por enquanto me encaminho aos órgãos competentes e enquanto aguardo (esperar é o lema, mas o quê?) só me resta PEDIR SOCORRO, por mim e, por tantos outros gritos abafados que são submetidos à defesa, dentro de suas possibilidades, para assegurarem a sua vida e à de seus familiares (e até amigos) e que recebem alienadamente o julgamento de outros que não acompanham o problema em seu teor real.

SOCIEDADE, CADA CASO É UM CASO E A TODOS QUE SEJA DADA A DEVIDA IMPORTÂNCIA. CHEGA DE MEDO! CHEGA DE MOROSIDADE! CHEGA DE IMPUNIDADE! MULHERES, FAÇAMOS VALER NOSSOS DIREITOS! À CAMINHO DA MINHA TERCEIRA MEDIDA PROTETIVA… AINDA ACREDITO NA JUSTIÇA, TEMOS QUE ACREDITAR.

_____________________________

*Keila Ferreira de Sousa é graduada em Letras com habilitação em Espanhol, professora, bacabalense, mulher e mãe.

Este texto foi produzido e enviado por um colaborador. Quer enviar seu texto para ser publicado também? Então ENTRE EM CONTATO.

Compartilhe esta postagem:

Sobre o autor | Website

Blogueiro há 11 anos da área de Educação e Concursos, já publiquei mais de 5 mil notícias neste site; Jornalista Técnico (Registro Nº 1102-MA - Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Maranhão - SRTE-MA).

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!