Resgate aeromédico é implantado no Maranhão

Compartilhe esta postagem:

O serviço de resgate aeromédico foi implantado no Maranhão na primeira semana deste mês de setembro, por meio de uma parceria entre as secretarias estaduais de Saúde (SES) e Segurança Pública. Em 10 dias de operação, já foram feitos seis atendimentos em São Luís, Barreirinhas, Santa Inês, Cururupu e São João dos Patos.

Formada por nove médicos e 11 enfermeiros da Secretaria de Estado da Saúde (SES), a equipe trabalha em regime de plantão 24 horas e funciona na sede do Grupo Tático Aéreo (GTA). Em cada plantão trabalham um médico, um enfermeiro, um operador tático especializado e dois pilotos. De acordo com a enfermeira Joselia Alves, que integra a equipe de aeromédicos, a maioria das ocorrências é de vítimas de acidentes envolvendo carros e motos.

Um dos casos mais graves atendidos pelos aeromédicos ocorreu no município de Cururupu. Vítima de acidente automobilístico, o paciente, cujo carro colidiu com um caminhão, teve politraumatismo. “O estado dele era muito grave e, se não fosse a possibilidade de ser transferido por uma UTI aérea com equipe especializada, talvez não conseguisse chegar ao hospital ainda com vida”, disse a enfermeira.

Outra importante intervenção dos aeromédicos foi realizada em Barreinhas, sábado passado (8). O pequeno Werlison Sousa Conceição (foto abaixo), de apenas um ano e sete meses, acometido de pneumonia e com quadro de infecção respiratória grave foi resgatado pela equipe que o transportou para Coroatá, onde foi internado na UTI pediátrica do Hospital Macrorregional Alexandre Mamede Trovão.

Os aeromédicos são capacitados para atuar no transporte e resgate com utilização de helicópteros do GTA, conforme as exigências do Conselho Federal de Medicina, bem como as regulamentações aeronáuticas e da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Além de São Paulo e Paraná, apenas o Maranhão dispõe de Resgate Aeromédico. Para fazer o transporte dos pacientes de forma adequada, a aeronave tem UTI completamente montada.

O curso teve duração de três meses e a grade curricular abrangeu disciplinas como terminologia aeronáutica, conhecimentos técnicos, segurança de vôo, fisiologia de vôo, fraseologia operacional, adaptação ao meio liquido, embarque e desembarque de helicópteros, resgate em locais de difícil acesso e assistência ao paciente aerotransportado.

Compartilhe esta postagem:

Sobre o autor | Website

Blogueiro há 11 anos da área de Educação e Concursos, Jornalista Técnico (Registro Nº 1102-MA - Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Maranhão - SRTE-MA).

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!