Greve nacional dos professores foi um sucesso

Compartilhe esta postagem:

A greve nacional da Educação foi um sucesso. Durante três dias (14, 15 e 16 de março), professores e demais trabalhadores da área pararam suas atividades, para cobrar o cumprimento da Lei Nacional do Piso do Magistério e dos compromissos assumidos pelos governadores e prefeitos com a categoria. O movimento envolveu as redes estaduais e municipais de ensino. Em alguns estados, como Pernambuco, mais de 85% das escolas pararam. Em muitos municípios do Brasil afora a adesão foi quase total, caso de Curitiba, onde 95% dos educadores saíram às ruas para protestar.

“Foram três dias muito bons. Mostramos para os governadores e prefeitos que nós não aceitamos que eles simplesmente digam que não têm dinheiro para cumprir a Lei do Piso. Consideramos que eles precisam se esforçar para encontrar condições de saldar essa dívida. Precisam fazer melhor as contas dos seus estados e municípios, provar que gastam com a educação aquilo que é disposto na Constituição”, avalia Roberto Franklin de Leão, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE.

O dirigente da CNTE lembra que cumprir a Lei Nacional do Piso não significa apenas o pagamento da remuneração de acordo com o valor definido pelo Ministério da Educação (MEC). “É preciso que se tenha claro que a Lei do Piso não fala só do salário. Fala de jornada, de carreira. Esses são pontos importantíssimos que são descumpridos. Isso tudo precisa ser cumprido”.

De acordo com o presidente da CNTE, a próxima batalha dos trabalhadores da Educação é fazer uma campanha contra a votação, no Congresso, do projeto de lei que altera os critérios de reajuste do piso, colocando apenas o INPC como fator de correção. “Nós não aceitaremos isso. Aceitamos discutir sobre a questão, mas não vamos discutir nada que não seja valorização. Aliás, o próprio ministro Aluizio Mercadante já se manifestou a respeito e na sua fala ao Congresso Nacional ele disse que não dá para ser simplesmente o INPC o fator de reajuste do piso”, afirma.

Veja como foi o movimento nos estados:

MARANHÃO – Sindicato apresenta os avanços na revisão do Estatuto do Educador

ALAGOAS – Trabalhadores em educação fazem ato em frente à Secretaria de Educação

AMAZONAS – Professores fazem protesto na Assembleia Legislativa

DISTRITO FEDERAL – Ato público reúne milhares em Águas Claras

GOIÁS – Educadores estaduais em greve param BR-153

MINAS GERAIS – Greve nacional em Minas tem adesão de 35% das escolas e, em Belo Horizonte, a adesão é de 56%

MATO GROSSO – Cresce mobilização das escolas públicas no interior de Mato Grosso

MATO GROSSO DO SUL – Carta entregue para Assomasul reivindica o cumprimento da Lei do Piso

PARÁ – 70% dos trabalhadores em Educação do Pará participam da greve nacional

PERNAMBUCO – Professor em greve fazem manifestação em Recife e na Região Metropolitana

PIAUÍ – Trabalhadores mantém greve e farão protesto na segunda (19)

PARANÁ – Mais de sete mil foram às ruas em Curitiba, na paralisação em defesa da educação pública

RONDÔNIA – Trabalhadores em educação decidem na maioria das Regionais suspender a greve a partir de segunda-feira

RORAIMA – Mais de 80% das escolas aderem à greve nacional da Educação

RIO GRANDE DO SUL – Dia tem manifestação na SEC e ato público unificado em frente ao Palácio Piratini

SANTA CATARINA – Assembleia Estadual dos Trabalhadores em Educação rejeita proposta do Governo

SÃO PAULO – Profissionais de educação decidem manter luta por reivindicações e marcam próxima manifestação para 28 de março
________________

Referência: CNTE via Sinproesemma.

Compartilhe esta postagem:

Sobre o autor | Website

Blogueiro há 11 anos da área de Educação e Concursos, já publiquei mais de 5 mil notícias neste site; Jornalista Técnico (Registro Nº 1102-MA - Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Maranhão - SRTE-MA).

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!