Maranhão tem risco muito alto de epidemia de dengue em 2011

Compartilhe esta postagem:

O Ministério da Saúde divulgou nesta terça-feira (11) o novo mapa do risco da dengue no Brasil. No mapa, o Maranhão, juntamente com outros 15 estados apresentam risco muito alto de epidemia de dengue neste início de 2011.

Os outros estados são: Acre, Amazonas, Pará, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, Tocantins, Mato Grosso, Espírito Santo e Rio de Janeiro. O levantamento foi baseado na atualização do Levantamento do Índice Rápido de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa).

Outros cinco estados foram classificados como de risco alto de epidemia: Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Goiás, Amapá e Roraima. Entre os de risco moderado, além do Distrito Federal, estão Rondônia, São Paulo, Paraná. Os de baixo risco são Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

O QUE É EPIDEMIA?
Epidemia é quando uma doença se desenvolve num local de forma rápida (fazendo várias vítimas), num curto intervalo de tempo. Acontece geralmente quando a população de uma determinada região entra em contato pela primeira vez com um agente patogênico (vírus, bactéria). Neste caso, o sistema imunológico das pessoas não está preparado para combater a doença, que se espalha rapidamente fazendo várias vítimas.

Segundo o levantamento, das seis cidades do Maranhão com o Índice de Insfestação Predial revelados, apenas São Luís e Codó estão com índices satisfatórios. A capital maranhense, que em 2009 tinha o IIP em 1,2, está com 0,9. Já o município de Codó elevou o seu índice de 0,4 para 0,8. As outras quatro cidades – Caxias, Imperatriz, São José de Ribamar e Timon, tiveram os seus índices elevados entre os anos de 2009 e 2010. As cidades, respectivamente, estão com IIP em 3,1, 2,4, 2,1 e 2,6.

Na manhã desta terça-feira (11), o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e representantes de outros 12 ministérios e órgãos do governo federal se reuniram com a presidenta Dilma Rousseff para articular a formulação de ações integradas capazes de prevenir e controlar a doença, bem como garantir atendimento de qualidade, em tempo adequado, para a população acometida pela dengue.

“Queremos, no dia de hoje, reforçar duas coisas: a atuação intersetorial e a integração entre atenção à saúde e vigilância em saúde. Queremos estimular os Estados e municípios a ampliarem suas parcerias no combate à dengue. O governo federal, os Estados, os municípios e as pessoas: todos podem fazer mais no combate à dengue”, disse o ministro Alexandre Padilha.

O ministro também determinou que o Ministério da Saúde faça o acompanhamento sistemático da implantação dos planos de contingência para enfrentar epidemias de dengue nos 16 Estados que atualmente apresentam maior risco. O monitoramento será feito em parceria com as Secretarias Estaduais de Saúde e vai integrar as ações de vigilância, assistência e mobilização em saúde.
________________
Referência: dados informados pelo Ministério da Saúde.

RECOMENDE O SITE PARA SEUS AMIGOS NO FACEBOOK


CADASTRE SEU E-MAIL E RECEBA AS ATUALIZAÇÕES DO SITE

Compartilhe esta postagem:

Sobre o autor | Website

Blogueiro há 11 anos da área de Educação e Concursos, Jornalista Técnico (Registro Nº 1102-MA - Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Maranhão - SRTE-MA).

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

1 Comentário

  1. RENATA BASSANI disse:

    aqui em açailandia,está tendo muitos casos,na minha casa somos 4 pessoas,3 tiveram dengue em menos de 1 mês,as pessoas não tem conciencia,não limpam seus quintais,jogam lixo em qualquer lugar,não tem educação…..