Maranhão é vice-campeão em trabalho escravo

Compartilhe esta postagem:

O Maranhão é o estado brasileiro que está em segundo lugar com trabalhadores em situação de trabalho escravo, perde apenas para o Pará. Os dados são do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e foram atualizados nesta segunda-feira (3).

No mês de dezembro de 2010, 86 trabalhadores escravos foram libertados no interior do Maranhão. A cidade que mais teve denúncias foi Capinzal do Norte com 29 pessoas resgatadas. Em segundo lugar foi a cidade de Santa Luzia com 27 trabalhadores. Em Governador Edison Lobão foram resgatados dez e na cidade de Balsas foram nove. Em Pindaré, oito, e Açailândia, três. O estado de Tocantins está empatado com o Maranhão.

Além do Pará, Maranhão e Tocantins, a “Lista Suja” de estados brasileiros com trabalho escravo conta com os estados: Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Santa Catarina, Bahia, Rondônia e Piauí.

Segundo a Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) mostra que desde a criação do Grupo Especial de Fiscalização Móvel, em 1995, foram resgatados no Brasil 38.769 trabalhadores em situação análoga à de escravo. Entre 1995 e 2002 houve 5.893 resgates. Entre 2003 e 2010 o número cresceu de forma desenfreada com 32.986 resgates.

Nesta nova atualização, a lista tem 88 novos casos e passa a conter 220 infratores, entre pessoas físicas e jurídicas, não computados os casos de exclusão por força de decisão judicial.

Clique para acessar a lista completa com os estados e cidades brasileiras onde foram encontrados trabalho escravo

RECOMENDE O SITE PARA SEUS AMIGOS NO FACEBOOK


CADASTRE SEU E-MAIL E RECEBA AS ATUALIZAÇÕES DO SITE

Compartilhe esta postagem:

Sobre o autor | Website

Blogueiro há 11 anos da área de Educação e Concursos, já publiquei mais de 5 mil notícias neste site; Jornalista Técnico (Registro Nº 1102-MA - Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Maranhão - SRTE-MA).

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!