Servidores do Wikileaks estão em abrigo nuclear

Compartilhe esta postagem:

Os computadores servidores que atualmente estão hospedando o site Wikileaks na Suécia, estão guardados dentro de um bunker nuclear (abrigo nuclear) em Estocolmo. Discreto, do lado de fora só é possível ver uma pequena porta em uma montanha coberta por muita neve – uma paisagem comum para o país escandinavo. Dentro, porém, funciona a instalação da empresa Banhof, que lembra bastante um cenário de filme de ficção científica, como o de Jornada nas Estrelas.

A normalidade da Banhof acaba quando se entra no bunker. A porta da rua é quase um brinquedo. Ao ultrapassá-la, é necessária a permissão de entrada de portas de cristal altamente seguras a partir de senha ultrasecretas. Dentro da caverna, existem oito mil servidores. Deles, dois pertencem ao WikiLeaks. “Tudo o que vai para o mundo é criado por essas duas pequenas caixas”, explicou o dono e fundador da Banhof, Jon Karlung, mostrando as instalações feitas na rocha.

Banhof foi construída em meados dos anos 1940 em um bairo elegante da capital sueca como abrigo nuclear durante a Guerra Fria. Na época, ele foi batizado informalmente de “pionen” (peônia). Em 2007, quando Karlung tomou posse do local, mais de 4 mil metros cúbicos de rocha precisaram ser dinamitados para que a caverna suportasse o número de servidores existentes hoje.

De acordo com Karlung, o WikiLeaks é tratado como qualquer outro cliente. “Eles devem pagar suas contas e o conteúdo deve ser legal na Suécia”, explicou. Ainda sobre a legalidade dos serviços prestados, Karlung contou ao repórter da BBC que não teme a possível ira norte-americana por manter uma instalação que guarda este tipo de informação. “Nosso papel é manter o serviço ativo. Estamos na Suécia, este serviço é legal na Suécia e temos que servir o nosso cliente”, declarou. “Devemos fazer tudo o que está em nossas mãos para manter o serviço funcionando. Acredito na liberdade de expressão”, acrescentou.

Sobre a onda de ataques que simpatizantes do WikiLeaks têm promovido a diversas companhias no mundo, Karlung afirmou que, pelo menos até o momento, Banhof não foi alvo de retaliação. “Não recebemos nenhum ataque direto. Nós observamos efeitos ligados a outros ataques, mas nenhum visando nossa instalação ou os serviços relacionados”, explicou, lembrando que o WikiLeaks não confiou todos os seus arquivos em um único bunker de servidores – mesmo que ele pareça fazer parte de outro mundo.
________________
Referência: Terra Tecnologia.

CADASTRE SEU E-MAIL E RECEBA AS ATUALIZAÇÕES DO SITE

Compartilhe esta postagem:

Sobre o autor | Website

Blogueiro há 11 anos da área de Educação e Concursos, Jornalista Técnico (Registro Nº 1102-MA - Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Maranhão - SRTE-MA).

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!