Pescadores usam rede 3G na Bahia

Compartilhe esta postagem:

Quando se junta na mesma frase as palavras “rede” e “pesca”, logo vem à cabeça a estrutura de fibras usada para capturar peixes. Mas um projeto desenvolvido na pequena cidade de Santa Cruz Cabrália, na Bahia, pretende colocar outro tipo de equipamento no dia a dia dos pescadores da região. O “Pescando em redes 3G”, que vem sendo realizado desde outubro de 2009, mas só foi lançado oficialmente semana passada, alia educação e tecnologia para aumentar a produtividade e a renda de homens e mulheres que desempenham a principal atividade econômica da região.

A iniciativa é da Qualcomm, que mantém outros projetos de internet sem fio em países como Guatemala e El Salvador. Este é o primeiro deles no Brasil, segundo Peggy Johnson, vice-presidente para Américas e Índia.

A parceria com outras empresas e com a ONG Instituto Ambiental Brasil Sustentável (IABS) permitiu o desenvolvimento de aplicativos de coleta de dados para auxiliar os pescadores a gerenciar seu negócio, além da construção de um centro, onde serão ministradas aulas. Foram adquiridos 18 computadores e 25 smartphones (com Android).

“Eles terão mais controle sobre o lucro antes mesmo de voltarem do mar. E não precisarão saber detalhes técnicos e nem fazer contas, porque o próprio aplicativo fará isso por eles” – conta André Brugger, presidente do IABS. – “Como as informações também podem ser acessadas via web, vamos estabelecer parcerias com os restaurantes. Assim, podemos combater a atuação dos atravessadores.”

Outro programinha a ser desenvolvido nos próximos meses vai ainda fornecer dados climáticos, aumentando a segurança dos pescadores. Cerca de 200 serão treinados pelo projeto. Eles pertencem às colônias de pesca de Santa Cruz Cabrália, à da cidade vizinha Guaiú e à tribo indígena Pataxó que vive na região.

A princípio, o programa termina em outubro de 2011, quando completa dois anos. Até lá, a Vivo fornece de graça a conexão 3G e as empresas prometem fazer a manutenção dos equipamentos.

“Depois, a ideia é que eles paguem as contas, reponham os equipamentos e andem com as próprias pernas. Não é um projeto assistencialista. A expectativa é que eles tenham um aumento de 100% da renda” – explica Brugger.
________________
Referência: O Globo Digital.

CLIQUE AQUI PARA CADASTRAR SEU E-MAIL E RECEBER AS ATUALIZAÇÕES DO CASTRO DIGITAL.

Compartilhe esta postagem:

Sobre o autor | Website

Blogueiro há 11 anos da área de Educação e Concursos, já publiquei mais de 5 mil notícias neste site; Jornalista Técnico (Registro Nº 1102-MA - Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Maranhão - SRTE-MA).

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!