Albinos e a discriminação

Compartilhe esta postagem:

Serge tem seis anos e atividades normais para uma criança de classe média alta camaronesa. Vai à natação, frequenta uma escola privada e gosta de futebol. Mas em uma idade em que qualquer atributo físico é motivo para um apelido, Serge tem um problema a mais. É um albino na África subsaariana.

— O único cuidado especial que temos é o protetor solar. Mas às vezes ele chega em casa chorando porque alguém chamou ele de “branco estragado” — revela o pai, que prefere não publicar a foto do menino magro e sério, com as duas bóias azuis em uma piscina.

Em localidades rurais, as dificuldades desta minoria costumam ir além dos apelidos. Há partes do continente em que os albinos são mortos e desmembrados. Viram peças de feitiçaria. Em Camarões, a integração parece mais próxima, já que há mais portadores de albinismo nas ruas que em países vizinhos (é mais comum ver um negro albino que um branco em Yaoundé). Segundo o doutor Entchoya, isto se deve a fatores genéticos.

— No leste do país a poligamia e o cruzamento entre parentes ainda é popular — argumenta o doutor.

Emannuel ganha a vida tocando o violão no restaurante Oásis, bairro de Essos, Yaoundé. Ali, onde um prato de comida custa 4 mil cefas (R$ 16), o cantor embolsa em média 2 mil (R$ 8) em uma noite, o que não lhe permite comprar os óculos de grau de R$ 200 para voltar a ver direito. Os albinos têm geralmente problemas de visão, que alguns compensam com uma audição aguçada.

— Tenho dois filhos “normais” e vivo com eles. Antes dos óculos é preciso alimentá-los — explica.

À parte da visão, Emannuel diz não enfrentar problemas sérios por ser albino. Entre 16h e meia-noite, percorre as mesas tocando clássicos do cancioneiro camaronês e mesmo internacionais. Merece destaque a particular versão para Let it Be, dos Beatles, que rendeu a Emannuel 500 cefas (R$ 2). Assista:
Fonte: Clik RBS.

ACESSE TAMBÉM:
RECADO DIGITAL – Seu site de recados para suas redes sociais na web.

Compartilhe esta postagem:

Sobre o autor | Website

Blogueiro há 11 anos da área de Educação e Concursos, já publiquei mais de 5 mil notícias neste site; Jornalista Técnico (Registro Nº 1102-MA - Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Maranhão - SRTE-MA).

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

1 Comentário

  1. Anônimo disse:

    E interssante que em 29 anos de vida nunca estudei nem trabalhei e nem morrei de nenhuma pessoa albina.